O superintendente do Departamento Autônomo de Água e Esgotos (Daae), representando o prefeito Edinho Silva, assinou dois contratos com o governo do Estado – Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos, hoje (28/06), no Palácio dos Bandeirantes, em São Paulo.

O primeiro contrato refere-se à liberação de recursos para a dragagem do lodo nas lagoas aeradas 1 e 2 e de sedimentação 1 e 2 da Estação de Tratamento de Esgotos (ETE) Araraquara e o outro contrato à gestão de controle de perdas, no setor Fonte, criação de distritos de manutenção e controle, projetos elaborados pelo Daae e aprovados pelo Comitê de Bacia Hidrográfica Tietê–Jacaré (CBH-TJ).
O custo total das duas obras está estimado em R$ 2.420.172,48, sendo R$ 1.815.129,36 financiados pelo Fundo Estadual de Recursos Hídricos (Fehidro) e os R$ 605.043,12 restantes, financiados com recursos próprios do Daae.
Estiveram presentes ao evento o governador Márcio França e Ricardo Borsari, secretário de Saneamento e Recursos Hídricos.
Dragagem do lodo – O projeto prevê a remoção, por meio de dragagem, do lodo das lagoas aeradas 1 e 2 e de sedimentação 1 e 2 da ETE Araraquara. O valor estimado do projeto é de R$ 2.016.084,00, sendo R$ 1. 512.063,00, do Fehidro e R$ 504.021,00 de contrapartida do Daae.
O projeto aprovado é a primeira fase de um programa de recuperação da Estação de Tratamento de Esgoto, cujo objetivo é melhorar a eficácia do tratamento do volume de esgoto recebido pelas lagoas, bem como prolongar a vida útil das mesmas. O projeto propõe a colocação de uma draga de sucção nas lagoas para a retirada de, aproximadamente, 140.851,88 m3 de lodo. O Daae prevê começar as obras em até 6 meses. A ETE Araraquara está localizada na Rodovia Comandante João Ribeiro de Barros, SP 255.
Setorização da Fonte – O projeto consiste na segunda fase da subsetorização da Fonte e é direcionada para o controle e combate às perdas na distribuição. A setorização do abastecimento do setor Fonte consistirá na execução de uma válvula redutora de pressão e sete medidores eletrônicos, na rede de água, no quadrante compreendido entre a avenida Dona Corina David (norte), avenida Maria Antônia Camargo de Oliveira (leste), avenida Prudente de Moraes (sul) e rua João Gurgel (oeste).
A subsetorização consiste em minimizar a quantidade de vazamentos na rede de distribuição, aprimorar o monitoramento e a medição do volume de água do setor, além de diminuir o intervalo no desabastecimento, quando há suspensão temporária do fornecimento de água.

Foto: Secretaria de Saneamento e Recursos Hídricos do Estado de São Paulo.
Assessoria de Comunicação, 03 de julho de 2018.

Pin It

Enquete Daae

De modo geral, como você avalia os serviços oferecidos pela unidade de atendimento móvel do Daae?

facebook

Back to top