Entre os dias 24 e 27 de setembro, os servidores da Gerência de Tratamento de Água e Esgoto, Weverton Campos Nozela, coordenador da Unidade de Tratamento de Esgoto e Francisco Raimundo da Silva, químico, participaram, por indicação de seus orientadores de curso, da 13ª Conferência Mediterrânea de Análise Térmica e Calorimetria, em Loano, na Itália.

Weverton, doutorando em Química pelo Instituto de Química da Unesp de Araraquara, apresentou dois trabalhos. O primeiro foi co-autor do trabalho intitulado “Resíduos de Alimentos – Fontes de Energia” e o segundo foi autor do trabalho “Energia Renovável Obtida Aplicando Torrefação em Pastilhas de Mistura de Lodo de Esgoto e Poda Urbana”, ambos sobre recuperação energética a partir de resíduos, ou seja, a busca por fonte alternativa de energia. “Na minha pesquisa, existe uma grande contribuição no ponto de vista ambiental, pois tem foco o reaproveitamento energético a partir da mistura de resíduos. A busca por fontes alternativas e renováveis estimula pesquisas nessas áreas e os resíduos tornam-se uma grande opção visto que pode fornecer energia, não é finito e há uma preocupação ambiental sobre a disposição inadequada destes”, comenta. Para ele, foi um grande desafio apresentar um trabalho de doutorando em inglês, na Itália. “Conhecer pessoas da comunidade científica de várias nacionalidades e conhecer pessoas de várias nacionalidades de uma forma geral também foi interessante”, finaliza.

Francisco, mestrando em Química pelo Instituto de Química da Unesp de Araraquara, apresentou seu trabalho intitulado "Avaliação da Eficiência de Blendas de Biocarvão com Lodo de Decantação de ETA na Adsorção de Soluções de Azul de Metileno", sendo sua pesquisa baseada na produção de um carvão feito com poda urbana e lodo da ETA Fonte e o avaliou na remoção do corante azul de metileno. O uso de corantes é comumente usado para verificar a capacidade de remoção de carvões. “Este material apresentou desempenho satisfatório na remoção deste corante e tem potencial para substituir o carvão antracitoso das ETAs, o qual é mineral e não renovável resolvendo também um problema ambiental que é dar um destino nobre a esses dois resíduos, ao invés de dispô-los em aterros”, explica. Comenta também que o congresso abriu portas e pôde conhecer grupos de outros países do mesmo ramo que o seu, além de conhecer outra cultura, exercitar o inglês e aprender um pouco de italiano. “A apresentação de trabalhos no exterior é muito bem vista no meio acadêmico, pois seu trabalho foi reconhecido fora do país. Profissionalmente foi possível criar um pequeno networking, o que ajuda a aumentar sua empregabilidade”, conclui. Francisco Raimundo é coautor dos trabalhos apresentados por Weverton Nozela e este, por sua vez, é coautor de seu trabalho.

Pin It

Enquete Daae

De modo geral, como você avalia a qualidade do atendimento do daae realizado por meio do 0800 770 1595?

facebook

Back to top